terça-feira, 7 de outubro de 2014

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Quando a esposa precisa de Massagem

Quando a esposa precisa de toque, carinho, sem sexo 

O efeito surpreendente do toque.Antes de pensarmos na necessidade do toque e afago, sem
“sexo”, é importante compreendermos um pouco sobre o valor da nossa pele. Phyllis K. Davis,em seu livro “O poder do Toque”, escreveu:

“Pobres dos milhões de seres humanos que dariam tudo para ter o que um gato ou um cachorro de estimação recebem no que se refere ao amor e contatos físicos – ainda que por um dia. É irônico que, em nosso ambiente, os animais desfrutem mais daquilo do que nós,como seres humanos, tanto precisamos. Não que os animais não necessitem de contato físico.

A diferença está no fato de que estes, ao contrário de nós, tocam muito mais nas suas crias e uns aos outros. Enquanto, por exemplo , os animais lambem e acariciam seus filhotes quando estes se machucam, os pais dizem simplesmente aos filhos: ‘Não chore, não foi nada’,fazendo-lhes um curativo em seguida.”

Sempre que falamos em tato, estamos falando de pele. Podemos comparar a pele que nos cobre com um envelope gigante. É um órgão que recebe impressões táteis, ou sensoriais, e reage a qualquer contato com sensações específicas. Os receptores da pele reagem ao calor,ao frio, ao toque, à coceira, a cócegas e a varios tipos de dores e vibrações. A pele é o maior
órgão de nosso corpo; compreende de 15 a 20% de nosso peso corporal. 

O corpo humano médio apresenta 1,67 metro quadrado de pele pontilhada por aproximadamente 5 milhões de minúsculos terminais nervosos que atuam como transmissores de sensações.
A pele é o nosso órgão mais importante em seguida vem o cérebro. As áreas relativas ao tato no cérebro cobrem uma área surpreendentemente grande, tanto na região sensorial quanto na motora. Os lábios, a língua, o rosto, o polegar, os dedos e as mãos ocupam uma quantidade desproporcional de espaço cerebral, seguidos de perto pelos pés. 

Se você roçar a ponta dos dedos nos lábios, passar as mãos pelo nariz e rosto e lamber os lábios com a língua, você estimulará as áreas mais sensíveis de seu corpo. O sentido do tato prevalece muito em nossos
dedos e mãos.

É através da nossa pele que nos envolvemos com freqüência com o mundo exterior. O interessante é que a pele constitui-se numa saída simbólica para os problemas emocionais íntimos, para as emoções reprimidas. Há mais de cem anos, acredita-se que a pele é uma voz para os problemas emocionais íntimos. Foram os médicos franceses Brocq e Jacquet que criaram, em 1891, o termo, “neurodermatite” para definir as inflamações de ele exultantes de perturbações emocionais.

O dermatologista Robert Gieshmer descobriu, após estudar 5 mil pacientes, que em muitos casos as emoções são, sem dúvida, a causa de vários tipos de distúrbios. Especificamente,27% dos quistos e 36% dos resfriados e dos herpes-zosteres foram provocados por problemas emocionais latentes; psoríases, 62%; urticárias, 68%; eczemas, de 56% a 70%; coceiras, 86%;
verrugas, 95%; coçaduras graves e subsequente rompimento da pele, 98% ; enquanto 100% das sudoreses tinham causa psicológica.

 1 / 3A pele, numa tentativa de socorrer os problemas psicológicos das pessoas, produz sintomas, a fim de chamar a atenção para esse grito interior de libertação.
É pelo sentido do tato que nossa pele recebe impressões sensoriais e reage a qualquer contato. A sensação do tato ocorre em conseqüência do mínimo contato, ativa os terminais nervosos apropriados, que retransmitem mensagens sensoriais ao longo da coluna vertebral para o cérebro. A experiência mais precoce, mais elementar e, provavelmente, mais dominante do bebê, ao nascer, é a tátil.

O senso de humanidade associa-se ao contato físico no instante de nosso nascimento e continua ao longo da vida.
“Contato físico, ou estimulação tátil, embora receba pouca atenção, comparada aos nossos outros sentidos e modos de expressão, ainda é a nossa forma de comunicação mais básica, e nós, subconscientemente, sabemos disso”.

O contato físico em si não é um acontecimento emocional, mas seus níveis sensoriais provocam alterações neurais, glandulares, musculares e mentais que chamamos de emoções.
É importante entender este conceito porque na infância relacionamos emoções e significados,via contato físico. Se experimentamos afeto e envolvimento, por meio do contato físico, este passará a nos significar afeto e envolvimento. Representará também segurança. Sentimos,
amamos e odiamos, tocamos e somos tocados por intermédio das células do tato em nossa pele.

“Quanto mais usamos nosso sentido do tato, mais ele se desenvolve. Até os ratinhos, quando tocados e acariciados, crescem, aprendem e vivem mais do que os companheiros desprezados”.
O toque e a expressão da sexualidade, sem o ato sexual.
Infelizmente, a maioria dos homens insiste em pensar no contato físico apenas como um gatilho sexual. Muitos casais vivem um relacionamento, mais parecido com um “arranjo”, onde apesar do apego entre a vagina e o pênis, os conjuges vivem como trilhos numa estrada de ferro: sempre juntos, mas nunca se tocando.

O psiquiatra Marc Holender defende o conceito de que algumas mulheres anseiam muito mais por serem abraçadas do que pelo ato sexual, podendo até trocar o sexo pelo aconchego e conseqüente sensação de segurança. O contato corporal, segundo Holender, “normalmente causa a sensação de ser amado, de estar protegido e confortado, e a necessidade ou odesejo
por ele pode ser afetada pela depressão, pela ansiedade e pela raiva. Certamente, é freqüente ocorrer um período de atividade sexual frenética em momentos de necessidade emocional intensa”.

O simples contato entre peles pode ser tranquilizador. As mulheres talvez anseiem mais por tocar e estar com uma outra pessoa do que pelo alívio da tensão sexual. Para muitas delas, um simples abraço proporciona segurança, proteção, conforto e amor. Penso que muitos homens, 2 / 3além do seu problema de ego e de sua tendência a relacionar contato físico com sexo,
simplesmente não sabem tocar. Não compreendem as técnicas do tocar e do aconchegar sua esposa. Acredito ser necessário que os homens aprendam o quanto é importante o tocar a mulher sem estar, necessariamente, pensando em praticar o ato sexual. 

Esse comportamento demonstraria maturidade.
O contato físico não deve ser um serviço, mas simuma troca de emoções íntimas entre duas pessoas que se amam e se valorizam.Trata-se de uma forma de comunicação, não um serviço,nem uma técnica. Só o contato físico pode eliminar a distância entre duas pessoas, neutralizar
a solidão da vida dentro da nossa própria pele e estabelecer um vínculo entre duas mentes,dois corações e dois corpos.

No início do século 19, mais da metade das crianças morriam durante o primeiro ano de vida devido ao marasmo, doença cujo nome deriva da palavra grega que significa “definhar”. Há menos de 50 anos, nos Estados Unidos, a mortalidade entre crianças menores de 1 ano abrigadas em orfanatos era de quase 100%. 

Naquela época, o método corrente para a criação de filhos baseava-se nos conselhos publicados pelo Dr. Holt em 1894, no livro Os Cuidados
com as Crianças e Sua Alimentação. Eis algumas das recomendações do médico: eliminar o berço, não pegar o bebê quando chorar, alimentar apenas nas horas certas e evitar “estragá-lo”, manuseando-o apenas quando necessário, para higiene e alimentação.

Quase todo mundo já ouviu falar do método TLC, abreviatura de Tender Loving Care,literalmente “amor, carinho e ternura”. A revolucionária idéia do TLC chegou ao Estados Unidos por intermédio de Fritz Talbot, um médico de Boston que, antes da primeira guerra mundial, estudou os procedimentos utilizados numa clínica infantil na Alemanha.

 Na clínica havia uma mulher velha, gorda e desajeitada, chamada Anna, que parecia não fazer nada além de carregar bebês para cima e para baixo. O fato é que com isso ela literalmente salvava a vida de muitas crianças.
Mas foi só após a Segunda Guerra Mundial que se realizaram estudos referentes à causa do marasmo, ou morte infantil inexplicada, e se relacionou a doença à falta de contato físico. 

As taxas de mortalidade infantil caíram de maneira impressionante nas instituições em que o método TLC passou a ser utilizado. Uma criança, para sobreviver e se desenvolver saudavelmente, precisa ser carregada, aconchegada, acariciada e “mimada”, precisamente o tratamento dado pela velha Anna. 

Este método, de forma alguma trata a criança com tirania.
Muito pelo contrario, lhe satisfaz uma necessidade básica dos primeiros anos de vida.

Por: Pr. Josué Gonçalves - Via: Verdade Gospel

Benefícios da Massagem

ne

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO


Autor(a): Pr. Carlos Elias
Todos sabemos quais são as quatro estações do ano: Primavera, verão, outono e inverno.
A primavera é a estação das flores, o verão é a época do calor, o outono é a época das frutas e finalmente o inverno é a época do frio.
A Palavra do Senhor nos diz: "Tudo tem seu tempo determinado e há tempo para tudo debaixo do céu." (Ec 3.1).
Vejamos então como se apresentam as estações.
A Primavera
A característica mais marcante da estação é o reflorescimento da flora e da fauna. Muitos animais aproveitam a temperatura ideal da estação para se reproduzir.
Na Primavera matrimonial se reconhecerá essa estação quando chegar também o tempo de se reproduzir. "Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra" disse o Senhor (Gn 1.28).
Na primavera os dias ficam mais longos. Certamente isso poderá ser bem aproveitado: No livro dos Salmos 30:5 lemos : "...O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã".
Para os casais é sempre bom lembrar que depois do inverno a primavera há de chegar. Cantares de Salomão 2.11: "Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira começou a dar seus figos, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem".
O Verão
Suas principais características são dias longos e quentes (temperatura elevada), mas também possui dias geralmente chuvosos. Por possuir dias quentes, a tendência é acontecer evaporação da águas e com isso acontecer a precipitação, ou seja, a formação das nuvens de chuva.
No casamento o verão é muito importante. No amor é preciso calor e muita intensidade, mas é preciso ter cuidado com a precipitação, não podemos permitir que ela nos apanhe desprevenidos. Geralmente no casamento quem se precipita, tem sempre algo do que se arrepender.
O Outono
O outono é a estação que marca a transição entre o verão e o inverno. O outono é conhecido como a estação das frutas. Por ser uma fase de transição entre o verão e o inverno, o outono apresenta características de ambas as estações: redução de chuvas, mudanças bruscas no tempo, nevoeiros em algumas regiões.
Entre outras características do outono, podemos citar o fato dos dias e das noites terem a mesma duração. Devemos ter muito cuidado quando no casamento chegarmos à estação do outono para que não mergulhemos na "mesmice" e corramos o risco da monotonia.
No outono matrimonial será tempo de frutificar. Ezequiel 47:12 afirma: "Junto ao rio, às ribanceiras, de um e de outro lado, nascerá toda sorte de árvore que dá fruto para se comer; não murchará a sua folha, nem faltará o seu fruto; nos seus meses, produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; o seu fruto servirá de alimento, e a sua folha, de remédio".
O Inverno
Inverno é a mais fria estação do ano. O inverno é caracterizado, principalmente, pelas baixas temperaturas. Durante a estação, várias espécies de animais, principalmente de pássaros, migram para outras regiões mais quentes.
Se no matrimônio o casal não está atento à chegada do inverno matrimonial, as coisas podem se complicar. Pois no inverno, quando o relacionamento é frio, e tudo parece cinza ao redor, é quando um dos cônjuges acaba por escolher "migrar" para outras regiões. Vai à procura daquilo que sente falta na relação matrimonial.
Outros animais, como ursos, hibernam no inverno, reduzindo grandemente sua atividade metabólica. Em muitas regiões, pode ocorrer a incidência de neve e geadas.
Geralmente no período do inverno matrimonial somos tomados por um instinto de "hibernar". É aquela estação de nossas vidas onde não desejamos realizações, falta-nos motivação suficiente para caminhar.
Quando o inverno matrimonial chegar será preciso estar muito atento. Provérbios 20:4 diz: "O preguiçoso não lavra por causa do inverno, pelo que, na sega, procura e nada encontra".
O inverno matrimonial é um tempo que requer do casal o andar juntinho. Em Eclesiastes 4:9,11 está escrito: "Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?"
Essa é uma boa orientação para enfrentar o inverno matrimonial.
Antonio Vivaldi (1678- 1741), padre veneziano contemporâneo de Bach, que nos legou belas composições, descreveu as melodias das estações no concerto "As Quatro Estações".
"As Quatro Estações", a peça mais famosa de sua obra, faz parte de 12 concertos denominados O diálogo Entre a Harmonia e a Criatividade. "Nessa série, se acentua a tendência ao sentido pitoresco que resulta na tentativa de se expressar, musicalmente, fenômenos da natureza ou sentimentos, como a primavera, o verão, o outono e o inverno.
O que dizer das quatro estações de Vivaldi? Fantástico. Apliquemos contudo o título de sua obra ao casamento.
Primeiro o Diálogo - Sabemos que diálogo é uma conversação estabelecida entre duas ou mais pessoas. O Outono (estação do ano) é o exato diálogo do Verão com o Inverno. Com isso reconhecemos aqui a importância do diálogo também nas estações do matrimônio.
Deus propôs para o casamento o diálogo: "Não é bom que o homem esteja só" (Gn 2.18). Se Deus desejasse que a vida fosse um MONÓLOGO, Deus permitiria ao homem viver sozinho.
O diálogo entre o Marido e a Mulher, ou a falta dele, afetarão diretamente o diálogo e o relacionamento do casal com Deus. Vejamos: "Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações" (1Pedro 3.7).
Em segundo lugar a Harmonia - Em se tratando de música, e disso entendia Vivaldi, a harmonia é o campo que estuda as relações. Para que a música seja harmônica você deve obedecer a uma série de normas.
No casamento não é diferente, é preciso um cuidado profundo nas relações, para não prejudicar a harmonia.
Na música a função principal do sistema tonal é a tônica. A questão toda se resume na tônica ou seja, na aproximação (dominante) e afastamento (subdominante).
No casamento precisamos, para uma boa construção harmônica, considerar a "dominante".
Efésios 5.22 - Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor;
Efésios 5.25 - Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela.
Analisado essa regra harmônica, e respeitada a "tônica" que nos foi colocada, não há como desafinar na relação marido e mulher.
Por último a Criatividade - Um dos principais 'combustíveis' para a criatividade é a imaginação. Pessoas criativas estão sempre dispostas a enxergar novas possibilidades e buscar novas relações entre as coisas.
A criatividade se apresenta através de duas linhas de raciocínio: o divergente e o convergente.



terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Pr. Josue Gonçalves. 10 Erros que o casal não pode cometer. Conhecimento...

espírito de adultério



PONTO G

PONTO G
Certa vez, conversando com uma senhora de mais ou menos 80 anos, ela desabafou: "Nunca senti prazer no sexo. Sempre fiz porque não tinha outro jeito... Não faço ideia do que é sentir orgasmo". Juro que senti grande compaixão por essa senhora. Pensei: quantas mulheres não vivem esta realidade? Centenas? Quem sabe milhares!

Ser feliz no sexo não é só uma questão de prazer, é uma questão que também traz benefícios à saúde feminina. “O ato sexual regula hormônios variados ligados ao bem-estar, entre eles a dopamina, a ocitocina, o cortisol, o estrogênio e a testosterona. Manter uma vida sexual regular e prazerosa pode rejuvenescer a aparência e trazer sensação de bem-estar, devido ao aumento do nível de estrogênio”¹.

É certo que os filmes e novelas pintam uma realidade fantasiosa. Na TV, as mulheres chegam ao orgasmo com tanta facilidade não é mesmo? Mas é preciso acordar, colocar os pés no chão e perceber que a grande maioria das cenas românticas não retratam a vida real. Seria ótimo poder viver a magia dos filmes Hollywoodianos, mas neste caso, fantasiar demais é prejudicial. Precisamos ser realistas.

É de extrema importância que o casal desenvolva um diálogo amoroso e transparente. Não tem como atingir intimidade sexual sem diálogo. É importante dizer ao seu cônjuge aquilo que gera prazer e o que gera incômodo. É muito comum nos relacionamentos o sexo se tornar previsível com o passar do tempo: "Ah, agora ele vai beijar meu pescoço, depois os seios e em seguida vai passar a mão aqui e ali..." Não permita que a monotonia tome conta da sua vida sexual. Ela é broxante, tanto para o homem quanto para a mulher. Surpreendam-se!

Além disso, muitos tabus precisam ser quebrados. No caso da senhorinha acima (e creio que de muitas outras) acredito que sua educação a respeito do sexo tenha tido certa influência negativa. Antigamente, e ainda hoje em muitas famílias, o sexo era visto como algo sujo e pecaminoso. E esta é uma das primeiras barreiras a ser quebrada. Sexo foi criado por Deus e não há nada de errado em sentir prazer. Se você ainda tem alguma dúvida quanto a isso, sugiro que leia: Vale tudo entre as quatro paredes do quarto?

Alguns outros comportamentos e situações dificultam a entrega total da mulher, como um perfil excessivamente controlador, desconfiança de uma terceira pessoa no relacionamento, estresse ou quem sabe filhos que dormem no mesmo quarto ou em cômodos muito próximos. Para alcançar o clímax, a mulher precisa se sentir segura, a vontade e com a cabeça livre de preocupações. Deve haver uma entrega total, de corpo, mente e coração.

"É importante deixar claro que, a princípio, toda mulher está apta para chegar ao orgasmo. Alguns aspectos físicos podem contribuir significativamente na diminuição do desejo sexual, como o período menstrual; tabagismo, álcool e dependência química; uso de tranquilizantes ou de anticoncepcionais de baixa dosagem por tempo prolongado; doenças vasculares; diabetes; endometriose; miomas e a menopausa, caracterizada por sintomas como atrofia genital, menor fluxo sanguíneo, diminuição da produção de estrogênio e ressecamento vaginal"¹. É preciso ficar atenta aos sinais que seu corpo está emitindo.

Mas os especialistas são unânimes em dizer que na maioria esmagadora dos casos o foco do problema está dentro da cabeça.

Já disse diversas vezes aqui no blog e repito: O compartimento "sexo" no cérebro da mulher está intrinsecamente ligado ao compartimento emoção. Se sua esposa está triste, magoada, amedrontada ou angustiada, dificilmente sentirá prazer durante a relação sexual. Conheço mulheres que fingem sentir prazer uma vida inteira para agradar o parceiro. Se esta é sua realidade, te convido a conhecer melhor o seu corpo, ter uma conversa franca com seu esposo e buscar informações.

É importante também ficar atenta a frequência com o qual se atinge o clímax. “Se a mulher percebe que em um período de seis meses não atingiu o orgasmo nenhuma vez, ou poucas vezes, deve procurar ajuda, pois pode estar com um quadro de anorgasmia, uma disfunção sexual”¹.

Ao contrário do que muitos pensam, o famoso ponto "G" fica localizado na parte interna da vagina. O clitóris, que fica na parte externa, também pode proporcionar muito prazer se bem estimulado. Ele, assim como o pênis, possui grande sensibilidade e centenas de terminações nervosas.

A posição sexual também possui grande influência, pois o pênis precisa estar posicionado corretamente para estimular o ponto "G". As posições que mais favorecem esse estímulo são o tradicional papai e mamãe e a mulher por cima, pois assim, ela pode ter mais controle sobre os movimentos e além disso, o contato direto com o clitóris e o pênis tocando a parte superior interna da vagina proporcionam muito prazer.

O ponto G está localizado a mais ou menos 4 ou 5 centímetro para dentro do canal vaginal, na parte superior. Quando a mulher está excitada, fica bem mais fácil de localizá-lo, pois assim como o pênis, ele está revestido de um tecido erétil, por isso fica mais salientado. Não há problema algum em durante a relação sexual o marido tentar localizar o ponto "G" com os dedos e estimulá-lo. É um exercício de conhecimento.

Uma mulher sexualmente satisfeita se sente mais disposta, animada e alegre. Que marido não desejaria isso para sua esposa? Gosto sempre de dizer que o sexo não é a parte mais importante de um relacionamento, mas é uma das pernas da mesa. Se uma delas não estiver firme, um esbarrão mais forte poderá derrubá-la. Por isso, invista também na conservação desta "perna"!

E se você já passou dos 80, gostaria de te dar uma boa notícia: ainda dá tempo! ;)


Dani Marques
http://salvemeucasamento.blogspot.com.br/2013/11/orgasmo-ponto-g-e-afins.html#more

SEX SHOP GOSPEL

SEX SHOP GOSPEL

E isso mesmo que você leu: Sex Shop Gospel. Sim, eles existem e chegaram pra ficar! "Mas pode isso? Convém? Não é pecado?" Confesso que estou um pouco cansada de perguntas como estas.
 A impressão que tenho, é que nós, cristãos, vivemos assombrados pelo medo e pela culpa. O Deus que se prega por aí está mais para um velho rancoroso espreitando seus filhos a espera de um escorregão do que para um Pai amoroso.

 O engraçado, é que estudando a vida de Jesus através dos Evangelhos, encontro um Deus bem diferente. Um Pai que olha para o coração, odeia o falso moralismo e tem o amor como cumprimento da lei: "Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás, não frequentarás sex shop[1]... e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor." Romanos 13:9-10 

Pela milésima vez eu digo: O sexo foi criado por Deus para ser desfrutado dentro da aliança de uma só carne, e a lei que deve reger esta união é o amor. Se houve egoísmo, desrespeito ou falta de amor, desagradou a Deus, simples assim. Afinal, que pai se alegraria com o sofrimento do filho? Quando colocamos o desejo acima do amor, vidas se machucam. E mexer com vida é mexer com Deus.
Uma das dezenas de indagações que recebo com frequência é: "Posso usar produtos de sex shop?"
É bom deixar claro que dentro de uma loja como esta podemos encontrar tanto materiais que estimulam um sexo sadio, quanto aqueles que estimulam um sexo doente. Por isso digo que a pergunta certa a se fazer não é: "Posso entrar numa loja de sex shop?", mas sim: "O que está me levando a isso?"

Deseja incrementar uma noite especial com velas, sais de banho, óleos de massagem e pétalas espalhadas pelo quarto? Então vá fundo meu amigo, pois a intenção do seu coração é fazer feliz a pessoa que você ama. Agora se o seu fetiche está em um objeto ou vestimentas que poderão levá-lo ao vício, um sexo doente ou fazer com que seu cônjuge se submeta a práticas humilhantes e egoístas, gostaria de dizer que SIM, você estará infringindo a lei que Cristo instituiu: o amor em toda e qualquer circunstância.

"Mas o que você quer dizer com um sexo doente?" Conheço casos de maridos que fazem questão que sua esposa introduza em seu ânus um pênis de borracha durante a relação sexual; já ouvi relatos de casais que só se sentem satisfeitos se um dos cônjuges estiver preso em algemas e demonstrando dor e sofrimento durante o sexo; existem também aqueles maridos que sentem o maior tesão em ver suas esposas vestidas de garçonetes, enfermeiras ou babás... E não posso esquecer das diversas mulheres que só chegam ao clímax se forem estimuladas com vibradores.
 "Mas Dani, se o casal está feliz assim, qual o problema?"

O grande problema é que quando tiramos o foco do corpo do nosso cônjuge e do amor que sentimos por ele e o colocamos em algum objeto ou apetrecho, caminhamos em direção a uma estrada escura e cheia de armadilhas. Se o corpo do seu cônjuge não está sendo suficiente para satisfazê-lo, aconselho que olhe para dentro de você, para sua alma e tente descobrir o por quê. É muito excitante curtir um apetrecho diferente vez o outra, mas assim como qualquer outro vício, ele se mostra bonito e atraente nas primeiras vezes, mas em pouco tempo o aprisionará de tal forma que a alma do seu cônjuge já não fará mais tanta diferença. Este é o perigo.

A Bíblia é claríssima quando diz que Cristo veio para restaurar a humanidade caída. Ele é o nosso modelo de humano perfeito, nossa referência. E como um bom cristão, você precisa se posicionar como um colaborador no processo da restauração da humanidade de seu cônjuge e não como um empecilho. Precisa extrair o que ele tem de melhor e ajudá-lo a lutar contra o seu pior.

Por isso pergunto: "O objeto que você está pensando em adquirir fará com que seu cônjuge sinta-se amado e desejado por você como ser humano, com alma, sentimentos e identidade? Ou fará com que se sinta rebaixado a um pedaço de carne, um objeto sexual, sem emoções, sem rosto e sem nome?"

Deseja saber se convém? Então olhe para o seu coração!
http://salvemeucasamento.blogspot.com.br/search/label/sex%20shop

5 TÉCNICAS PARA AUMENTAR O PRAZER FEMININO (INFALÍVEL!)


Técnica nº. 1: MÃOS MOLHADAS
Faça sua parceira sentar-se em uma cadeira confortável na cozinha. Certifique-se que ela consegue ver muito bem tudo que você faz. Encha a pia da cozinha com água e adicione algumas gotas de detergente para louça com aroma. Segurando uma esponja macia, submersa suas mãos na água e sinta sua pele ser envolvida pelo líquido até que a esponja esteja bem molhada…
Agora, movendo-se devagar e gentilmente, pegue um prato sujo do jantar, coloque-o dentro da pia e esfregue a esponja em toda a superfície do prato.
Vá esfregando com movimentos circulares até que o prato esteja limpo.
Enxágüe o prato com água limpa e coloque-o para secar. Repita com toda a louça do jantar até que sua parceira esteja gemendo de prazer.

Técnica nº. 2: VIBRANDO PELA SALA
É um pouco mais difícil do que a primeira, mas com algum treino você vai fazer com que sua parceira grite de prazer: Cuidadosamente apanhe o aspirador de pó no lugar onde ele fica guardado. Seja gentil, demonstre a ela que você sabe o que está fazendo. Ligue-o na tomada, aperte os botões certos na ordem correta. Vagarosamente vá movendo-se para frente e para trás, para frente e para trás… por todo o carpete da sala. Você saberá quando deve passar para uma nova área. Vá mudando gradativamente de lugar. Repita quantas vezes seja necessário até atingir os resultados.

Técnica n° 3: CAMISETA MOLHADA
Este joguinho é bem fácil, embora você precise de mente rápida e reflexos certeiros. Se você for capaz de administrar corretamente a agitação e a vibração do processo, sua parceira falará de sua performance a todas as amigas dela: Você precisará apenas de duas pilhas. Uma pilha com as roupas brancas, e outra pilha com as coloridas. Encha a máquina de lavar com água e vá derramando gentilmente o sabão em pó dentro dela (para deixar a mulher ofegante, use exatamente a quantidade recomendada pelo fabricante). Agora, sensualmente coloque as roupas brancas na máquina… uma de cada vez…. devagar. Feche a tampa e ligue o ‘ciclo completo’. Sua companheira vai ficar extasiada. Ao fim do ciclo, retire as roupas da máquina e estenda-as para secar. Repita a operação com as roupas coloridas…

Técnica nº. 4: O QUE SOBE, DESCE
Esta é uma técnica muito rapidinha. Para aqueles momentos em que você quer surpreendê-la com um toque de satisfação e felicidade. Pode ter certeza, ela não vai resistir. Ao ir ao banheiro, levante o assento do vaso. Ao terminar, abaixe novamente. Faça isso todas às vezes. Ela vai precisar de atendimento médico de tanto prazer.

Técnica nº. 5: GRATIFICAÇÃO TOTAL
Cuidado: colocar em prática esta técnica pode levar sua companheira a um tal estado de sublimação que será difícil depois acalmá-la, podendo causar riscos irreversíveis a saúde da mulher. Esta técnica leva algum tempo para o seu aperfeiçoamento. Empenhe-se com afinco. Experimente sozinho algumas vezes durante a semana e tente surpreendê-la numa sexta-feira à noite. Funciona melhor se ela trabalha fora e chega cansada em casa. Aprenda a fazer uma refeição completa. Seja bom nisso. Quando ela chegar em casa, convença-a a tomar um banho relaxante (de preferência aromático em uma banheira de água morna que você já preparou). Enquanto ela está lá, termine o jantar que você já adiantou antes dela chegar em casa.

Após ela estar relaxada pelo banho e saciada pelo jantar, execute a Técnica nº. 1.

http://salvemeucasamento.blogspot.com.br/

12 verdades que todo casal deve saber sobre sexo - Completo

Mulher Rixosa

Cultive uma nova autoimagem

Cultive uma nova autoimagem

A Bíblia é o livro do sucesso. E um "livro de fotografias", que
contém um "retrato" de Deus, de você e dos outros.
Na Bíblia, você pode ver uma "foto" de Abraão, e entender o sucesso
dele. Pode ver uma "foto" de José, e compreender seu sucesso.
 Você poderá ver "fotos" de pessoas como Elias, Jonas e Paulo, em momentos de
estresse e de triunfo. Enquanto se torna mais e mais familiarizado com a
Palavra de Deus, você constrói em sua mente uma galeria de imagens com
histórias de sucesso de pessoas descritas na Bíblia.

Quando você estudar essas "fotografias", descobrirá logo que outra
imagem começará a formar-se. Você verá a si mesmo nessas fotografias
mentais. Verá não o que tem sido, mas como será; não onde esteve, mas
aonde irá. Esta nova imagem mental de si mesmo deve tornar-se o seu
objetivo. Por meio da assimilação diária da Palavra, você poderá reforçar
sua autoimagem e ver-se como Deus o vê.
Seu destino pode ser determinado pela forma como você vê a si
mesmo. Nunca se permita dizer que é estúpido, burro, fracassado. Em vez
disso, veja-se mentalmente como uma pessoa inteligente, brilhante,
vencedora. Por quê? Porque você tem acesso à mente de Deus. A Bíblia
recomenda: De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve
também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por
usurpação ser igual a Deus (Filipenses 2.5,6).

Seu autorretrato
Por meio da mente de Cristo, você verá um retrato de sucesso, uma
imagem que foi reformulada de você, sem as manchas do fracasso e as
rugas da fraqueza. O resultado será a fotografia de um vencedor, que revela a forma como Deus o vê. Ele tem um maravilhoso e emocionante álbum de fotos suas. Ele vê todos os seus pontos fortes, as boas qualidades e os atributos positivos.

Satanás tentará mostrar-lhe uma fotografia do seu pior. Ele vai
lembrá-lo do que você era e de seu ponto mais fraco. Ele possui uma
fotografia de quando você estava "para baixo" e a colocará em sua frente o tempo todo. Ele também usará uma lupa para ampliar os seus defeitos e
dirá: "Olhe como você é ruim... como é feio!" O objetivo do inimigo é
fornecer uma imagem diferente daquela que Deus tem de você.

Quantas pessoas passam todo o seu tempo olhando fotografias de
seus fracassos e tentando encobrir o que é uma imagem distorcida.
Problemas entre as pessoas às vezes começam quando elas começam
a trocar umas com as outras essas feias fotografias.

Uma mulher olha para o marido e diz: "Não posso suportar o modo como você é desorganizado,
deixando suas roupas no chão. Estou cansada de juntá-las". Ele retruca:
"Como você é preguiçosa. Nunca mantém a louça lavada. Não cozinhou
por uma semana! Estou cansado de voltar para uma casa suja!"

As pessoas trocam fotografias que mostram o pior do outro, em vez
de reforçar as boas imagens, os pontos fortes. E, enquanto isso, elas
continuam no fracasso.

Mas, no momento em que elas começam a ver umas as outras como
Deus as vê, 99% de suas áreas de pressão e problemas são resolvidos
porque, se elas conseguem ver a si mesmas pelos olhos de Deus, podem
concentrar-se no potencial, e não nos problemas umas das outras.

PRINCÍPIO DE SABEDORIA 63:
Você sempre lutará inconscientemente para se tornar

o que acredita ser, de acordo com o seu autorretrato.

MIKE MURDOCK

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Maridos Solitários, Esposas Solitárias

Maridos Solitários, Esposas Solitárias

O isolamento de outras pessoas nem sempre é ruim. O próprio Jesus tinha o hábito de isolar-se regularmente das multidões e ficar a sós com Deus, depois de um dia de trabalho em meio às multidões. Nessas ocasiões, ele orava e renovava suas forças. 
Mas, existe uma solidão maléfica, característica da sociedade em que vivemos. As pessoas podem viver numa mesma casa com muitas outras e ainda assim viver isoladas delas. Já que fomos criados como seres sociais, viver em isolamento geralmente provoca tristeza, depressão, angústia e, em casos extremos, o suicídio.

Isolamento acontece mesmo entre pessoas tão íntimas como marido e mulher. Diversas forças ativas na sociedade moderna estão separando marido e mulher cada vez mais para longe um do outro, em vez de produzir intimidade e mutualidade:

1) Numa sociedade tão complexa como a em que vivemos, experiências diferentes e sistemas de valores diferentes separam os casais. Antigamente, as pessoas nasciam e cresciam juntas num mesmo lugar. Hoje, elas vêm de passados completamente diferentes.

2) A sociedade moderna tem passado a idéia de que o casamento é um relacionamento na base de 50/50 (fifty-fifty). Isso é, cada um dá um pouco de si. Mas isso não funciona na verdade. O padrão cristão é 100/100. No casamento, temos de nos dar inteiramente.

3) O egoísmo é provavelmente a maior ameaça à unidade do casal. Ser egoísta é buscar realização pessoal deixando o cônjuge de fora. Uma ilusão bastante comum é que marido e mulher podem obter sucesso independentemente um do outro e ainda ter um casamento bom. Na prática, quase nunca isso dá certo.

4) Outro fator para isolamento são problemas não superados. Os pesquisadores mostram que cerca de 70% dos casais que passam por experiências traumáticas - como perder um filho num acidente, ou ter um filho gravemente deficiente - se separam ou se divorciam.

5) A mídia tem popularizado a idéia de que aventuras extramaritais é algo normal. O fato é que, não somente o adultério consumado, mas o adultério emocional - uma amizade muito íntima com alguém do sexo oposto - provoca a isolação dos cônjuges.

6) A pressão contínua do estilo de vida acelerado em que vivemos contribui para que cada vez mais vivamos estilos de vida separados uns dos outros.

7) Outro fator é nosso hábito de assistir TV. O problema é mais grave do que a violência mostrada na tela. Membros de uma família podem estar juntos na mesma sala assistindo TV, e estar perfeitamente isolados uns dos outros. À medida que nos enfiamos em nossos casulos, mais e mais nos desconectamos uns dos outros.
A grande maioria dos moradores das grandes cidades - mesmo cristãos - raramente conhece seus vizinhos! Todo o moderno sistema de comunicação produzido atualmente pela sociedade tende a eliminar cada vez mais o contato humano: Internet, email, chat, etc.
O isolamento é uma ameaça séria mesmo para casais cristãos. Estes cristãos precisam perceber que se não tomarem as providências necessárias e se não tratarem dessa ameaça juntos, acabarão por viver isolado uns dos outros, mesmo debaixo do mesmo teto. Muitos casais casados têm sexo, mas não amor. O erro típico que muitos casais cometem é não antecipar que problemas desse tipo podem ocorrer com eles. E quando os problemas surgem, são apanhados desprevenidos.

Vivemos num mundo cheio de problemas. A tentação de muitos, debaixo de pressão, é isolar-se, hibernar como um urso em sua caverna no inverno. Embora essa pareça uma alternativa atraente, é somente com o apoio de amigos que poderemos suportar as misérias desta vida. Fiquei impressionado com o que aconteceu recentemente no Japão, quando três empresários japoneses falidos enforcaram-se juntos no mesmo quarto de hotel. Numa sociedade individualista como a nossa, suicídios não acontecem assim! Mas se os japoneses conseguem ser solidários até na morte, será que não podemos aprender, na vida, a compartilhar nossa existência e experiências com outros?
O que podemos fazer, como cristãos, para vencer o isolamento?

Aqui vão algumas dicas:
1) Busque maior intimidade com Deus, pela leitura da Bíblia e pela oração diária. Quando nos aproximamos de Deus, podemos melhor nos aproximar dos outros.

2) Planeje gastar tempo com seu cônjuge fazendo coisas que ambos apreciam.

3) As vezes o isolamento foi causado por uma atitude errada sua, com a qual o seu cônjuge ofendeu-se ou magoou-se. É preciso pedir perdão e buscar a reconciliação.

4) Às vezes quando a situação já se tornou muito complicada e difícil, é preciso procurar ajuda espiritual e psicológica. Pastores e psicólogos cristãos são geralmente treinados para oferecer apoio e soluções para casos assim.

Não permita que o isolamento acabe a alegria do seu casamento. Casados também podem ser felizes juntos!
Lembre-se:
 "Você e a sua família são projetos de Deus"
"Você nasceu para vencer"
Deus abençoe você, e a toda a sua família.

FONTE: www.vivos.com.br

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Porque os homens e as mulheres são tão diferentes


Apesar de todas as dificuldades e desafios que a relação a dois envolve, as pessoas continuam encontrando boas razões para se casarem, que vão desde o medo de estar só (Gn.2.18), até os desencadeados pelos temores da vida contemporânea, de construir um lar que funcione como porto seguro num mundo cada vez mais cheio de incertezas, além de outros.
As diferentes motivações e necessidades
Homem e mulher são dois modos de ser. Têm estruturas cerebrais diferentes, estruturas emocionais diferentes e diferentes campos perceptuais da dimensão espiritual, ainda que em essência, sejam seres humanos.
Em face dessas diferenças fica mais fácil compreender que, em se tratando de casamento, as razões do homem parecem não ser as mesmas da mulher, de modo que, ao empreenderem o matrimônio, ambos o fazem por diferentes necessidades e motivações.

O QUE ELES QUEREM?
Satisfação sexual
Sem nenhum exagero, para homem, o casamento se faz na cama. Acredito que este instinto é mais focalizado no homem que na mulher.
No casamento o homem projeta a sua realização e satisfação sexual. Quando isto não acontece, o casamento pode perder a sua razão de ser, pois quase nada pode compensar tal carência. É evidente, que com a exploração que a mídia e a sociedade em geral, fazem do sexo, os problemas sexuais no homem, podem se transformar facilmente em traumas psicológicos.

Companhia prazerosa
Desde o princípio foi constatado por Deus. De fato, o homem é carente de uma companhia, da presença estável de uma mulher que esteja ao seu lado, livrando-o da terrível sensação de solidão.
O relacionamento para o homem é presença; ele se guia pela vista, ainda que não necessariamente, pelo tato, como acontece com a mulher. É necessário porém, que esta companhia lhe seja prazerosa, no sentido de lhe proporcionar certas gratificações ou prêmios, em face de sua condição de provedor. Pelo menos é assim na psique do homem.
O homem considera uma atividade compartilhada com sua companheira como uma alta expressão de intimidade. Isto lhe causa muito prazer. A mulher conquistaria melhor seu marido se participasse mais, com ele, de atividades recreativas. Na realidade, para o homem, não é tão importante o realizar junto, mas, estar junto dele em atividades que lhe dão prazer.

Uma esposa atraente
O livro de Cantares de Salomão ilustra bem esta necessidade do homem. O escritor, ao longo de todo o livro não deixa de expressar o seu encanto com as formas de sua esposa, partes do seu corpo que em geral, recebem alta cotação do clube masculino, chegando mesmo a descrevê-las, comparando-as com paisagens e formas da natureza que tanto os fascinam. Talvez, em função da valorização que o homem dá à aparência de sua esposa, muitas mulheres estão percorrendo verdadeiros calvários para manter suas formas bem acentuadas, o que tem levado algumas, inclusive, a comportamentos obsessivos a esse respeito. É bom lembrar que nem sempre as pessoas têm total controle sobre alterações que se processam no seu corpo.

Uma guardiã do lar
Muitas mulheres enganam-se, ao imaginar que os homens abandonaram definitivamente a imagem internalizada, ao longo de milhões de anos, da esposa que cuida da casa, desempenhando tarefas típicas dessa função. Muitas mulheres, inspiradas nos ideais feministas abandonaram por completo o cuidado da casa, para que não fossem vistas como súditas do império machista. Esta mudança radical causou um forte impacto na relação conjugal. Nem a mulher nem o homem conseguiu assimilar bem tal mudança. Estudos revelam que a grande maioria dos homens casados ainda se incomoda muito quando as suas esposas deixam de lhes fazer pequenas tarefas como, prega os botões de suas camisas.
Admiração
O desejo de ser admirado e reconhecido é mais aguçado no homem que na mulher. O homem parece viver em função desse desejo, que lhe é visto como o preço mais justo que pode lhe ser pago por aquilo que ele realiza. Sem admiração o homem definha e empobrece. Sem admiração, sua motivação para as conquistas e para as realizações se esvaem e seu entusiasmo pela vida desaparece. A admiração para o homem funciona como combustível e ao mesmo tempo, como parâmetro que mede a eficácia de seus atos.

O QUE ELAS QUEREM?
Afeto
A mulher é movida por afeto, que é o mais nutritivo alimento do seu coração. Quando elege o seu cônjuge, ela espera receber dele afeto, em forma de palavras, de toques e de atitudes, pois as relações conjugais lhes são sinônimos de relações afetivas. A sensibilidade da mulher ao toque, por exemplo, é dez vezes maior do que a do homem. O casamento para a mulher, é acima de tudo, a expressão máxima de amor e compromisso entre duas pessoas, e só secundariamente, entendido como uma instituição.
O afeto é uma de suas necessidades permanentes e, independente do tempo que está casada, a mulher espera receber sempre do seu esposo boas e constantes doses de carinho e afeto.

Intimidade
No relacionamento conjugal, quanto mais proximidade, melhor. No caso da mulher, parece que sua estrutura emocional e sua estrutura cerebral, têm este campo de necessidade maior que a do homem, fazendo com que, a convivência íntima seja muito mais buscada por ela do que por ele, no casamento. A mulher cobra constantemente do homem esse tipo de convivência e um ambiente onde haja compreensão empática e um nível de confiança baseado no compromisso da fidelidade e da continuidade das relações conjugais.

Diálogo

Um outro aspecto relevante, é que para a mulher, a comunicação vai além de mera conversa clichê, aquela que se faz através de frases prontas e chavões, em que as palavras soam vazias. Ao se comunicar, a mulher expressa sentimentos e usa a comunicação num nível mais profundo, para se aproximar e tornar-se íntima. Daí a sua grande necessidade de falar sobre a relação e de ter o feeedback do seu cônjuge a esse respeito.
Sem sombra de dúvida, ao lado de um homem calado, com o olhar perdido, sempre há uma mulher se sentindo desprezada e distante, com a sensação de que algo vai muito mal na sua relação conjugal. O silêncio do homem é uma das maiores ameaças para a mulher.

Honestidade
A personalidade de uma pessoa sempre foi um aspecto importante a ser avaliado no momento de se decidir por uma relação duradoura. Nas mulheres, isto parece ser ainda mais valorizado que nos homens. Enquanto estes têm a tendência de se basear mais pela vista, aquelas se interessam mais por qualidades interiores do homem, os traços de sua personalidade, suas características pessoais, seu caráter. A honestidade é um dos traços que a mulher mais admira no homem. Só numa relação de honestidade e franqueza a mulher se sente segura e tranqüila para expressar livremente toda a grandeza dos seus sentimentos.

Sustento financeiro
Quase que em toda história da humanidade o homem exerceu o papel de provedor da família. Era o responsável pelo abrigo e o sustento desta. Há no seu cérebro, uma estrutura programada para esse tipo de comportamento e, mesmo nos nossos dias, não é simples para ele conviver numa situação em que a mulher esteja fazendo o seu papel, como acontece em muitas famílias. A mulher, por sua vez, não superou o condicionamento de milhões de anos, vivendo sob a proteção do homem e continua a vê-lo como o mantenedor do lar, mesmo nos casos em que esteja ganhando mais que ele.
Link: http://www.josuegoncalves.com.br/portal/artigos_detalhe.asp?cod=2042&sessao=15